Adaptação cultural

Quais são os desafios da adaptação cultural? 

Os desafios da adaptação são múltiplos,vão desde a aprendizagem da língua, até a facilidade de adaptação cultural  em relação aos parceiros de sua nova vida econômica e social.

Estas dificuldades explicam o fracasso da expatriação, com uma taxa considerável de regresso prematuro, algo em  torno de 30 a 50%. Além do problema citado anteriormente, há ainda  expatriados que permanecem no cargo passivos em sua missão, ou que se adaptam se apoiando sobre a concorrência, porque não foram apoiados por sua empresa.

Ser acompanhado durante este período inevitável de desestabilização evita danos comuns: baixa no desempenho, as perdas no mercado, uma imagem denegrida diante das autoridades locais, desestabilização das equipes de trabalho locais, trauma familiar.

Algumas falsas crenças:

+ Ter um perfil de expert internacional garante uma boa adaptação cultural;

+ A adaptação acontece de uma maneira natural, porque os adultos têm necessidade de conhecer e de compreender as diferenças, bem como de se adaptar a elas.

O choque cultural

O choque cultural é inevitável e pode variar de acordo com cada indivíduo. No entanto, as etapas são essencialmente as mesmas.

A primeira é, muitas vezes, uma admiração que podemos  chamar “lua de mel », visto que lembra os momentos de encantamento do ser no ápice da paixão. Esta é uma fase de leve euforia, onde tudo é mais bonito do que em qualquer outro lugar, melhor do que antes, onde o futuro é se constrói com toda ilusão possível.

Estas etapas são destinadas  a continuar até a integração …. ou não.

Sendo assim, a ajuda à adaptação cultural, como os diferentes tipos de coaching, os treinamentos, apoio às famílias, são essenciais.Uma chave para o  sucesso da implantação das empresas, das negociações comerciais e das diversas missões de expatriação.

Aspectos sobre os quais atuam as ajudas interculturais:

+ A dimensão cognitiva para assimilar as diferenças culturais de um país: história e características culturais,valores e comportamentos “incompatíveis” com nossa própria cultura.

+ A dimensão emocional, para superar o estresse e gerenciar suas emoções, saindo da nossa zona de conforto e se abrindo para « o novo».

+ A dimensão comportamental para aplicar seus conhecimentos dentro de um estilo de gestão e comunicação adaptado aos novos contextos, sejam eles profissionais ou pessoais.

 

Esta integração da diversidade é parte de uma responsabilidade conjunta do empregador e empregados, e trabalha no sentido de um desenvolvimento sustentável dos recursos.