AS RAIZES DA CORRUPÇÃO NO BRASIL: TAL PAI, TAL FILHO

les racines de la corruption
Quando nós adotamos a maneira de pensar dos psicossociónomos[1], a cultura de um país acaba por ser  um conjunto de características que nos introduzem aos códigos sociais, aos ritos, aos símbolos e aos valores de uma sociedade.

Os psicossociónomos partem da constatação de que uma sociedade é concebida no nascimento de um país, que ela nasceu de seus pais fundadores, que ela passou por eventos marcantes, criando e amando seus heróis, tudo como aconteceria com um indivíduo.

Esses especialistas analisam uma nação como se fosse uma pessoa e assim, a noção de cultura torna-se viva e dinâmica: uma sociedade passa por etapas de desenvolvimento…ela termina a infância, atravessa uma fase em que busca por sua identidade, como se faz na adolescência, chega à maturidade e inicia seu período de declínio.

Os psicossociónomos igualmente supõem que uma sociedade teria, como uma pessoa, um inconsciente. E aqui as coisas são mais interessantes.

Nós sabemos desde Freud e Eric Berne[2] que, através da noção de Cenário de Vida, que o próprio inconsciente influencia a vida de cada um sem seu conhecimento… porque o inconsciente não deixa aproximar-se dele ou decifrá-lo facilmente. Ele se manifesta através de lapsos, de atos falhos e de sonhos…nada simples, ainda mais por ele ser cheio de energia!

O inconsciente de uma criança é impregnado por seus pais e por sua vivência durante a infância no seio de criação de sua família. Se nós fizermos uma analogia, o inconsciente de uma sociedade é impregnado pelo espírito de seus pais fundadores e por seus grandes momentos históricos. Como uma pessoa, essa sociedade teve sentimentos e emoções e adotou um certo tipo de comportamento inconsciente nascido dessas experiências.

Outra característica desse inconsciente chama-se a compulsão da repetição.

Em outros termos, nosso inconsciente irá nos impelir a reproduzir e recolocar em evidência as situações difíceis de nossa infância, na esperança absurda de resolvê-los enquanto adulto.

Photo :  Heleno Costa

Photo : Heleno Costa

Nós então podemos nos perguntar a seguinte questão:

O que uma sociedade repete inconscientemente, proveniente do seu passado, que remonta aos seus pais fundadores?

Na Recursimo, nós pensamos sobre os eventos recentes no Brasil, onde a população não para de se manifestar ha cinco meses. A pressão da rua foi bem sucedida em impedir o aumento dos preços das passagens de ônibus. A população continua a exigir: saúde, educação e o fim da corrupção.

Vista a importância dos desvios de dinheiro público, nós podemos pensar que seria o suficiente obter uma diminuição de 80% da corrupção para ter professores, escolas, e serviços de saúde adaptados às necessidades do país.

Nós somente podemos reconhecer que o roubo sistemático, em proporções inconcebíveis, das elites corrompidas, é uma repetição da história que remonta aos fundadores do Brasil.

O Príncipe João, futuro D. João VI rei de Portugal[3], levou o tesouro do Estado português aos portos do país para salvá-lo das mãos de Napoleão, de modo a instalar o Império Português no Rio. Ao chegar, da noite pro dia, ele expulsou inúmeros cariocas de suas residências para acomodar seus doze mil cortesãos. Em seguida, ele elevou os impostos de acordo com suas necessidades. E foi assim durante trezes anos….sem deixar de ter sido amado pelo povo.

Antes de retornar à Portugal, ele retirou os últimos centavos dos cofres do Banco do Brasil. “A realeza que acabava de viver da corrupção fez um grande saque ao tesouro público”[4].

– “Os fundos atribuídos para manter os diversos setores da indústria e para os trabalhos de utilidade pública desapareceram por uma súbita sangria e muitas coisas iniciadas com a chegada da Corte e das quais nós esperávamos um grande benefício, foram interrompidas.” [5]

“Isso correspondeu a falência, ainda que não declarada”[6].                                                                                        

– “Na prática, o roubo dos recursos do Tesouro tiveram consequências dramáticas para a economia brasileira…”[7]

Deixando o país e seu filho (o futuro Imperador Pedro I) em uma insuperável dificuldade financeira que perdurou por muitos anos e originou uma dívida endêmica. Ainda assim, isso não impedia o amor do filho por seu pai. Obediência de um jovem rei, resignação diante da autoridade ou aceitação dos compromissos de um Príncipe?

Para João VI, a situação estava muito clara: “O que pertence ao Estado, me pertence”. Assim como Louis XIV declarou “O Estado sou eu”. Desde então, a maior parte dos governantes saquearam os cofres públicos como se fossem deles mesmos.

Nós sabemos que a corrupção existe em todos os países do mundo. É verdade.

Mas nem todos os povos a consideram como um mal necessário e não dizem:blog2

“Se não forem eles, serão os outros. Tantos se mantém no mesmo lugar, eles já estão servidos.”

Como se houvesse um limite ao roubo… Nem todos os povos tem essa incrível tolerância aos atos de corrupção… Como se a lei do Pai não pudesse ser realmente questionada.

No Brasil, os últimos eventos tiveram um significado próprio à uma rebelião na adolescência. Poderia-se ainda seguir seu crescimento ultrapassando os esquemas calamitosos de sua história.

O Brasil deveria utilizar toda a sua energia de adolescência para desfazer as organizações criminais poderosas que contribuem para a perda da credibilidade do Estado, particularmente da América Latina: Brasil, Colômbia, Peru e Bolívia.

Os pais perversos nunca são fáceis de derrubar. A Síria passa por uma dolorosa experiência ao custo da vida de sua população.

“A corrupção mata a democracia, pois ela coloca em cheque os fundamentos da República: a igualdade de tratamento, o desinteresse do serviço público, a busca pelo interesse geral” (Michel Sapin)[8]

Françoise DONANT,

Doutora em economia e diretora da Recursimo

[1] Os psicossociónomos utilizam a psicologia e a sociologia em empresas e em países, considerando que essas entidades pensam, sentem e se comportam como indivíduos.

[2] Eric Berne, fundador da análise transacional e autor do livro “O que você diz depois de dizer olá?”

[3] Para o historiador Oliveira Lima, D.João VI foi “o verdadeiro fundador da nacionalidade brasileira” porque ele assegurou lo território e permitiu a uma classe dirigente de se responsabilizar pela construção do novo país”.

[4] Historiador Manuel de Oliveira Lima

[5] Maria Graham

[6] Historiador Pereira da Silva

[7] Laurentino Gomes “1808”

[8] Ministro do Trabalho, do Emprego e do diálogo social desde maio 2012.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *